7 tendências que vão moldar a experiência de consumo

A próxima revolução criativa terá como base a relação entre a tecnologia e as marcas, o que vai mudar claramente a experiência de consumo. De acordo com “Fjord Trends 2019”, estamos num ponto de inflexão tecnológica, política e ambiental. As duas décadas de rápido crescimento tecnológico conduziram a enorme desordem digital. A exploração desenfreada dos recursos do planeta espelha um ser humano sem tempo e sobre-estimulado, o que leva ao cerne da questão: a busca por valor e relevância.

Em 2019, o sucesso residirá em acrescentar valor não só aos indivíduos, mas também ao planeta. Em vidas ocupadas e num planeta lotado, apenas o relevante permanecerá.

1 – O silêncio é de ouro.

O sentimento de sobrecarga tornou-se um problema de saúde. As marcas precisam de encontrar formas de chegar aos seus consumidores que anseiam tranquilidade num mundo ruidoso. É cada vez mais frequente que as pessoas se desliguem de modo a impedir a enxurrada de conteúdo e mensagens que confundem a vida quotidiana. À medida que as pessoas colocam mais barreiras entre elas e as tecnologias digitais, as empresas devem aprender a oferecer valor aos que anseiam por tranquilidade num mundo barulhento.

O aumento de alertas e notificações alertou-nos para para o impacto das tecnologias na nossa saúde mental. Consequentemente as empresas começaram a desenvolver produtos que oferecem um maior controlo sobre a exposição à tecnologia.

O que as marcas podem fazer?

– Serem mais tranquilas: as marcas não se devem prender somente ao engagement (interacção).
– Estarem atentas às necessidades de mudança dos seus clientes e às avaliações online.
– Investir no design de conteúdo: não se trata do que comunicam mas como o fazem.
– Exigir o menor esforço cognitivo para que os clientes compreendam a mensagem.

2 – A última gota?

As preocupações sobre o aquecimento global, poluição e sustentabilidade estão a reflectir-se numa mudança cultural. Assim, os consumidores esperam que o compromisso ambiental seja comprovado por meio de acções, eles não são apenas receptivos à mudança, eles agora exigem-na. Por exemplo, na Unilever, as marcas sustentáveis têm registado um crescimento 30% mais rápido do que as marcas que não o são.

O que as marcas podem fazer?

– Redesenhar tudo, tornando os seus produtos sustentáveis tão desejáveis, acessíveis e convenientes quanto as alternativas não-sustentáveis.
– Pensar além de sua marca, unindo esforços para resolver problemas do sector.
– Transformar o desperdício em riqueza.

3 – Minimalismo nos dados

A forma como os dados pessoais são tratados é motivo de preocupação. No futuro, as empresas precisam de apostar na transparência, transmitindo que apenas recolhem dados de que precisam para criar novos produtos e serviços, os usam e armazenam responsavelmente.

O que as marcas podem fazer?

– Capacitar as pessoas a saberem como, onde e qual a razão pela qual os seus dados foram usados e deixar claro o que receberão em troca.
– Garantir que recolhem o mínimo de dados possível
– Permitir que as pessoas ajam quando os seus dados estiverem errados.

4 – As cidades estão caóticas, por isso as marcas devem trabalhar em soluções de mobilidade sustentáveis.

Há uma tendência para o serviços se integrarem e oferecerem modelos de pagamento baseados em assinaturas. As novas parcerias moldarão o futuro da mobilidade, que será um equilíbrio entre sistemas existentes e novas iniciativas.

5 – O paradoxo da inclusão: como comunicar para todos sem, inadvertidamente, excluir outros?

As organizações devem procurar uma inclusão verdadeira. Futuramente, a inteligência artificial poderá fornecer uma verdadeira personalização usando os dados detalhados dos indivíduos e, em última análise, resolver o paradoxo da inclusão. Actualmente as marcas devem trabalhar mais para mentalidades do que com dados demográficos para entender e atender às complexas necessidades humanas.

O que as marcas podem fazer?

– Mesclar dados qualitativos e quantitativos dado que cada um pode tornar o outro mais poderoso.
– Focarem-se em mentalidades que agrupam as pessoas com base em suas motivações, atitudes e comportamentos.
– Adoptar um serviço personalizado que se adapta às necessidades do utilizador em tempo real.

6 – À medida que o digital e o físico se confundem, as empresas têm de se reinventar nos dois espaços.

As lojas físicas cada vez mais tentam mimetizar a experiência da compra online. Basicamente as empresas (que querem evoluir) começarão a recolher e a usar dados que obtêm online para reformular as suas experiências off-line e vice-versa.

7 – Há um novo tipo de realidade que está a confundir os limites da “verdade” e a desafiar a forma como a valorizamos.

Embora devamos estar atentos a potenciais armadilhas, as repercussões positivas da realidade virtual têm-se feito sentir em áreas como entretenimento, assistência médica, mobilidade, segurança, automação, arte e design.

O que as marcas podem fazer?

– Sejam autênticas: algo que os consumidores valorizam muito
– Estarem preparadas: defenderem-se de cópias e manipulações
– Serem criativas sem se desviarem da verdade

Com este texto queremos ajudar as marcas a compreenderem as mudanças que estão a ocorrer na experiência de consumo. As duas décadas de revolução digital moldaram uma nova geração de consumidores.

Filipa Almeida experiência de consumo 7 tendências que vão moldar a experiência de consumo filipa foto

Filipa Almeida

Licenciada em Psicologia pela UC, pós-graduada em Marketing Digital e Micro-Mba em Gestão Empresarial.
Co-fundadora e Consultora de Marketing Digital da Dreamweb.
Filipa Almeida experiência de consumo 7 tendências que vão moldar a experiência de consumo filipa foto

About Filipa Almeida

Licenciada em Psicologia pela UC, pós-graduada em Marketing Digital e Micro-Mba em Gestão Empresarial. Co-fundadora e Consultora de Marketing Digital da Dreamweb.

Os comentários estão fechados.

error:

Ao continuar a usar o site, concorda com o uso de cookies que possibilitam a melhoria dos nossos serviços. Pode alterar as definições de cookies a qualquer altura. mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close