O Google+ será desactivado após o encobrimento de um caso de exposição de dados

Uma falha de segurança permitiu que terceiros tivessem acesso a dados de vários utilizadores do Google + desde 2015 até Março deste ano. Só aí o Google deu conta do bug e corrigiu a falha, mas não informou os utilizadores. Mas que falha era esta? Quando um utilizador permitia que uma app tivesse acesso aos seus dados do perfil público, o bug também permitia que esses programadores tivessem acesso a campos de perfil não públicos e aos seus amigos. De fato, 496.951 nomes completos de utilizadores, endereços de e-mail, datas de nascimento, género, fotos de perfil, lugares visitados, ocupação e estado civil foram potencialmente expostos, embora o Google afirme não ter evidências de que os dados foram utilizados pelos apps.

O Google provavelmente será poupado da multa por não divulgar o problema em 72 horas uma vez que o caso foi descoberto em Março sendo que o RGPD começou a vigorar em Maio. No entanto, a empresa ainda pode enfrentar acções judiciais colectivas e há o perigo que esta fuga de dados possa contaminar toda a empresa e coloque em causa as suas políticas. A empresa decidiu não informar o público porque isso a iria destacar de forma negativa quando tinha passado ao lado da polémica da Cambridge Analytica. Agora o Google+, que não teve grande expressão nem destaque, tornou-se uma grande responsabilidade para a empresa.

A notícia vem de um relatório condenatório elaborado pelo Wall Street Journal que recomendou que o Google tomasse algumas medidas no que toca a privacidade e levasse a cabo algumas reformas. Na sequência desta polémica o Google+ suspenderá todos os seus serviços durante os próximos 10 meses, dando a oportunidade para os utilizadores exportarem os seus dados enquanto o Google se concentra em tornar o G + num produto corporativo.

O Google também alterará seu sistema de permissões permitindo que o utilizador confirme cada tipo de acesso individualmente, em vez de todos de uma só vez.

Saiba mais: O que é o Google Plus?

O Google+ pretendia ser uma rede social e foi lançado em 28 de Junho de 2011. Inicialmente funcionava por convite mas a 20 de Setembro de 2011 foi aberto a todos sem a necessidade de um convite.

Embora a Google tenha colocado muito esforço no desenvolvimento de uma plataforma agregadora, cerca de 90% das sessões do Google+ foram menos de 5 segundos (pouco uso e engajamento).

Leia aqui o comunicado do Google.

 

Filipa Almeida google + O Google+ será desactivado após o encobrimento de um caso de exposição de dados filipa foto

Filipa Almeida

Licenciada em Psicologia pela UC, pós-graduada em Marketing Digital e Micro-Mba em Gestão Empresarial.
Co-fundadora e Consultora de Marketing Digital da Dreamweb.
Filipa Almeida google + O Google+ será desactivado após o encobrimento de um caso de exposição de dados filipa foto

About Filipa Almeida

Licenciada em Psicologia pela UC, pós-graduada em Marketing Digital e Micro-Mba em Gestão Empresarial. Co-fundadora e Consultora de Marketing Digital da Dreamweb.

Os comentários estão fechados.

error:

Ao continuar a usar o site, concorda com o uso de cookies que possibilitam a melhoria dos nossos serviços. Pode alterar as definições de cookies a qualquer altura. mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close